domingo, 25 de setembro de 2011

As três perguntas que você deve fazer para encontrar seu caminho...

Na série de (Os quatro caminhos), descrevi o trajeto que acho que todos devemos percorrer em nossa incessante busca da felicidade. No entanto, fiquei preocupado que a epígrafe de um daqueles livros pudesse ser mal interpretada: Um mapa para encontrar o caminho da felicidade.

A idéia que essa frase parece dar, me incomoda até hoje. Sem um esclarecimento, alguém poderia achar que existe UMA fórmula, UMA maneira de ser feliz e, mais do que isso, que eu a descobri e que escrevo para compartilhá-la, como se fosse uma receita de bolo.

Lamento decepcioná-lo, mas nunca encontrei a fórmula da felicidade. Na verdade, insisto em afirmar que ela não existe.

Acredito que nem deveríamos perder tempo procurando-a. Tenho certeza de que seria melhor e mais saudável, nos dedicarmos a resolver tudo aquilo que nos impede de ser feliz. Afinal, o que são nossos problemas se não obstáculos no caminho de nossa realização pessoal? O que poderia ser mais importante do que esse objetivo, mesmo que para muitos, como eu, por exemplo, seja difícil defini-lo com uma só palavra?

Alguns o chamam de “auto-realização”; outros, de “consciência contínua” ou “percepção”. Há quem o considere um estado de iluminação ou êxtase espiritual e uns poucos o identificam como o encontro da tão desejada paz interior. Há ainda quem prefira defini-lo simplesmente como “sentir-se pleno”.

A verdade é que, independentemente do nome que damos ou mesmo se pensamos nisso ou não, ser feliz é nosso mais importante desafio. Por isso a busca da felicidade é um tema tão profundo e tão merecedor de estudo quanto o amor, a dificuldade de comunicação, a
postura diante da morte ou a misteriosa distorção de pensamento que leva um ser humano a achar que tem direitos sobre a vida de outro.

Neste caminho de descobertas há aqueles que se perdem e se condenam a chegar um pouco tarde. Mas existem também aqueles que encontram um atalho e se transformam em excelentes guias para os outros – mestres que, embora não possam nos dar uma fórmula mágica, são capazes de ensinar que há muitas maneiras de chegar, infinitos acessos, milhares de caminhos possíveis.

Com muitos desses mestres aprendi que todos os trajetos são válidos e diferentes, mas têm um ponto em comum: a necessidade de encontrar respostas para as perguntas mais importantes, aquelas que todos nós fazemos em algum momento e que são o tema deste livro.

Três perguntas são imprescindíveis e acompanham a humanidade desde o surgimento do pensamento formal. Não podemos nos esquivar delas, porque são partes de todas as rotas traçadas. E, se pretendemos enfrentar o desafio que Carl Rogers chamava de “o processo de transformar-se em pessoa”, devemos respondê-las uma a uma, porque apenas buscando honestamente essas respostas aprende-se tudo o que é imprescindível para seguir em frente.

Cada uma das três questões implica um desafio inevitável e esse processo muitas vezes leva a caminhos que se cruzam e se sobrepõem, mas que se manifestam e nos convidam a percorrê-los em uma seqüência predeterminada.

Quem sou?
Aonde vou?
Com quem?

Três desafios, três caminhos, três perguntas para serem respondidas exatamente nessa ordem. Para evitar a tentação de permitir que a pessoa que está comigo decida aonde vou; para não cair no erro de definir quem sou com base em quem me acompanha; para não determinar meu rumo de acordo com o rumo do outro; para não permitir que me definam com base no caminho que escolhi, muito menos que confundam o que sou com o trecho que estou percorrendo.

O primeiro desafio é descobrir quem sou.
O encontro definitivo comigo mesmo.
O trabalho de aprender a não depender.

O segundo desafio é decidir aonde vou.
A busca de plenitude e de sentido.
Encontrar o propósito fundamental de nossa vida.

O terceiro é escolher com quem.
O encontro com o outro e a coragem de deixar para trás quem não está.
O processo de se abrir para o amor e encontrar os verdadeiros companheiros de jornada.

Trecho do livro: QUANDO ME CONHECI - Quem sou? Aonde vou? Com quem?
Do escritor, Médico Psiquiatra e Psicólogo Jorge Bucay

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...