terça-feira, 18 de julho de 2017

Ponto G


Na literatura médica o ponto G existe sim e está localizado na parede interna no começo da vagina, sendo essa uma região de sensibilidade maior que as demais áreas. Adean Ostrzensk, ginecologista da cidade de São Petersburgo , diz provar que o ponto G existe. De acordo com a pesquisa, o ponto G é uma estrutura localizada na parede da frente da vagina, numa região entre a vagina e a uretra, que fica comprimida em uma espécie de casulo de 3,3 mm.

Em 1960, o ginecologista alemão Ernest Gräfenberg fez uma descoberta que gerou polêmica e dúvidas entre os estudiosos da sexualidade humana: a existência de uma estrutura à qual atribuía capacidade de induzir o orgasmo feminino.

Porém, com os avanços no estudo da sexualidade humana, descobriu-se que o clitóris pode ser mais sensível do que o ponto G.

Segundo o ginecologista Cesar Eduardo Fernando – SP, “O ponto G não é anatomicamente definido, habitualmente relacionado ao teto da vagina, que é uma zona erógena próxima ao clitóris. Por ser muito sensível, gera excitação e lubrificação”.

A existência ou a ausência do ponto G não é fundamental para que a mulher sinta prazer, e sim o conhecimento de seus próprios pontos sensíveis. Não existe uma receita, cada mulher precisa descobrir o que lhe dá mais prazer.

Apontar a existência do ponto G é estigmatizar a mulher, o que pode gerar mais ansiedade e cobranças, dificultando a descoberta de novas áreas sensíveis e de extrema excitação no corpo feminino.

O desejo e diversos outros fatores como fisiológico, psicológico e emocional determinam qual é a capacidade da mulher se entregar e vivenciar uma sexualidade mais excitante e prazerosa com seu(a) companheiro(a).

Na verdade o ponto G é uma questão polêmica entre os estudiosos da sexualidade humana, por acreditarem numa sexualidade mais global, onde o corpo como um todo possui várias áreas de intensa excitação sexual.

“Não se trata de uma imaginação como, algo inexistente. Ocorre que as sensações sexuais e eróticas passam por um processo mental, são registrados no cérebro e então passam a existir fisicamente. Além do ponto G, muitas partes do corpo são erógenas. Algumas delas, extravaginais que podem também conduzir ao orgasmo.” (Oswaldo Rodrigues – Psicólogo Diretor do Inpasex).

Segundo Sylvia Faria Marzano, urologista e terapeuta sexual, “a mulher tem dois pontos G; um em cada ouvido, que tudo depende de como a mulher é estimulada.”

Um fato é certo e que todos os estudiosos de um modo geral concordam: o corpo feminino possui muitas áreas erógenas sensíveis e necessitam ser mais exploradas. Essas regiões denominadas erógenas reagem ao toque com sensações de excitação, uma delas é o clitóris, órgão do prazer, mas outras áreas como o pescoço, as mamas, a pele do abdome, áreas de flexões como os joelhos e cotovelos, a região palmar ou plantar (palma da mão e planta do pé), as coxas e diversas outras.

A forma como é tocada e beijada também é muito determinante para a satisfação sexual da mulher, assim como, um toque sensível, afetuoso e ao mesmo tempo a segurança e o conhecimento sobre o corpo e os sentimentos da mulher, estimulam as sensações excitantes e prazerosas.

Cada mulher tem seus pontos especiais, um tipo de toque que lhe proporciona mais prazer.

O prazer da mulher também está ligado à autoestima e ao autoconhecimento.

Os cuidados com o corpo e estar bem consigo mesma são pontos primordiais para uma vida sexual satisfatória. Muitas mulheres apresentam problemas sexuais, como consequência de sua baixa autoestima e esses fatores necessitam ser resolvidos adequadamente para que possa viver mais intensamente o seu prazer.

Procurar a ajuda de um especialista é de fundamental importância para estas mulheres, como um psicólogo (terapeuta sexual), ginecologista e profissionais que trabalham com a estética corporal, caso sintam-se muito insatisfeitas com seu corpo.

O desconhecimento das áreas erógenas do corpo são as principais causas das dificuldades de excitação das mulheres que acompanho em meu consultório, além dos conflitos existenciais, que são reflexo de uma educação reprimida, relacionamentos sexuais não satisfatórios e em alguns casos traumatizantes, que as levam a reprimir e não explorar o corpo com alegria e entusiasmo na busca do prazer.

Toda mulher pode atingir o prazer desde que esteja com saúde física e psicológica. Não é um privilégio e sim, o autoconhecimento corporal de suas áreas erógenas, pois a mulher não necessita do outro(a) para atingir o prazer sexual.

O ponto G está, principalmente, na mente da mulher, como ela percebe o mundo, seu corpo e o prazer.



quinta-feira, 13 de julho de 2017

Pânicos e fobias são tratáveis com EFT?


Muito comum hoje, são pessoas dizendo ter crises de pânicos ligadas a fobias, ou seja, certas situações que provocam pânico, como estar perto de certos animais, entrar em elevadores, tuneis  ou aviões, estar no escuro, estar sem controle do que está ocorrendo. Ou pessoas que nos dizem entrar em crises de pânico sem que aparentemente nada aconteça de errado. Nestes casos as crises estão diretamente ligadas a respostas emocionais a situações vividas no passado, provavelmente na infância.

O que caracteriza uma crise de pânico: o coração com taquicardia, suor frio, diarreia, falta de ar, tremores descontrolados, tontura, sensação de morte iminente.  Depois de várias crises as  pessoas acabam disparando o pânico às vezes por medo de entrar em pânico. Este medo de se sentir mal, acaba limitando essas pessoas  no que diz respeito a  viver experiências novas, aproveitar oportunidades, aceitar desafios. Deixam de viajar, de aceitar novos cargos, de ir a eventos relevantes, etc.

O mais difícil e o que mais temem é que o pânico muitas vezes ecloda em momentos que não esperam. Ele aparece como um “tsunami” imprevisível que se origina dentro delas. E muitas vezes num momento inesperado. O pânico é uma ansiedade potencializada, com manifestações corporais agudas, sugerindo à pessoa que há uma perda do seu eu, uma sensação de desintegração, de perda da unidade de si.



A pessoa em pânico sente que não existe mais um eu para controlar e acalmar a ansiedade crescente e confiar que este tsunami vai passar. Esta agonia infinita é das sensações mais terríveis que se pode sentir. Uma agonia impensável. Nos perdemos de nós mesmos.

Na minha experiência essas pessoas que apresentam crises de pânico, quer tomem medicação ou não, muitas vezes precisam de um terapeuta amoroso, que trabalhe com o coração, que seja profundamente empático, que cuide delas dando um suporte quase incondicional para que a sensação de confiança volte a se estabelecer. 

Nestes casos acho um pouco complicado a pessoa se auto aplicar o EFT (técnica para a liberdade emocional).  Portanto, se você tem estas crises de ansiedade e pânico, relativas ou não a certas situações específicas, é bom procurar ajuda com um terapeuta que faça EFT e trabalhar com ele até um determinado momento em que você já consiga ter uma referência interna de confiança que o ajudará a ter certeza que as crises serão cada vez mais espaçadas e que com certeza você pode controla-las com seus recursos próprios.

Mas pode ser que você não possa ter acesso a um terapeuta que pratique o EFT ou pode ser que este terapeuta esteja longe no momento da crise. Nestes casos, vou dar uma dica importante:  quando os sintomas começam a dar sinais que vão se manifestar, faça tapping (pequenas batidinhas nos meridianos), insistentemente, varias rodadas, até que estes sintomas recuem.

Tive vários casos de pacientes e amigos que estando sozinhos numa estrada, por exemplo, sentiram de repente que uma crise se avizinhava, e pararam o carro, fizeram umas cinco rodadas de EFT conectados com as sensações corporais e assim afugentaram a crise.

Não precisa falar nada, apenas se concentre no que você está sentindo e faça o tapping sem parar, várias rodadas até passar a crise pior. O interessante, entretanto é trabalharmos para eliminar a possibilidade da crise.

Para uma eliminação total das crises, é preciso voltar aos eventos biográficos específicos que criaram as condições para que o pânico se instalasse. Podem ser, por exemplo, situações de desamparo, de medo, de cuidados por demais intrusivos e culpabilizadores, etc. Muitas vezes temos eventos que deixam uma marca energética-emocional no sentido de privar a pessoa da confiança que uma ação assertiva exige.

Casos de crises de pânico recorrentes e intensas podem demandar um processo terapêutico com um profissional que ajude a pessoa a restaurar a unidade de si, a confiança no si mesmo, a esperança no futuro, a assertividade nas posturas e nas ações requeridas e para, com EFT, chegar nestes eventos específicos biográficos e como eliminar deles a carga energético-emocional que predispõe às crises de pânico!

O EFT (Técnica para Liberdade Emocional) ou Tapping é um método terapêutico que além de trabalhar através da linguagem verbal, opera nos terminais dos meridianos energéticos do nosso corpo, para eliminar sintomas e incômodos emocionais, físicos e, também, para melhorar nossa performance esportiva, artística e profissional. Este trabalho é feito através de pequenas batidinhas (tapping) nos mesmos meridianos usados pela acupuntura chinesa, só que não utilizamos agulhas.



domingo, 7 de maio de 2017

Levar um fora causa uma dor real

“Efeito placebo também funciona para coração partido, mostra estudo”.

Você está com o coração partido porque acabou de sair de um relacionamento?
Faça algo que você acredita ser útil para aliviar sua dor emocional. Qualquer coisa. De acordo com uma pesquisa recém-publicada, o efeito placebo pode influenciar regiões cerebrais associadas à regulação emocional e, como consequência, diminuir a percepção do sofrimento.




Rompimentos amorosos costumam ser experiências extremamente dolorosas, e funcionam como gatilho para problemas psicológicos e até suicídio. Segundo os autores do estudo, da Universidade de Colorado Boulder, nos Estados Unidos, esse tipo de sofrimento está associado a um risco 20 vezes maior de depressão.


Como há evidências de resultados positivos do placebo para diversas doenças físicas, a equipe decidiu avaliar se a crença em algo que pudesse ajudar a superar um rompimento teria efeito também. Para isso, os pesquisadores selecionaram 40 voluntários que tinham sido rejeitados pelos parceiros até seis meses antes da abordagem.

Os participantes foram convidados a ir ao laboratório levando a foto do ex, ou da ex, e também a de um amigo do mesmo sexo. Enquanto passavam por um exame de ressonância magnética funcional, eles tinham que olhar a foto e contar como tinha sido a separação. Em seguida, tinham que olhar a foto do amigo. Por último, ainda foram submetidos a um estímulo doloroso, um toque quente no antebraço. Em todos os casos, eles tinham que dizer como se sentiam, numa escala de 1 (muito mal) a 5 (muito bem).


A primeira constatação do estudo é que as regiões do cérebro ativadas pela dor física e pela emocional foram as mesmas. Ou seja: levar um fora causa uma dor real.

Em seguida, todos foram convidados a usar um spray nasal. Para metade do grupo, os pesquisadores disseram que era apenas uma solução salina. Já a outra metade ouviu que aquilo era um analgésico poderoso para combater dores emocionais.

De volta à ressonância, os participantes voltaram a ver as fotos dos ex e, de novo, foram submetidos ao estímulo doloroso no braço. O grupo que recebeu o suposto analgésico não apenas sentiu menos dor física, como se sentiu melhor emocionalmente, e a resposta do cérebro se modificou. As áreas envolvidas na modulação de emoções e de substâncias ligadas ao bem-estar tiveram atividade aumentada, enquanto a área associada à dor ficou mais fraca.

O estudo foi financiado pelo Instituto Nacional de Saúde Mental norte-americano, com apoio adicional da Fundação Nacional de Ciência, na Suíça, e os resultados foram publicados no Journal of Neuroscience.



Suicídio e automutilação: registros entre crianças mais que dobrou nos EUA

O número de crianças e adolescentes atendidos em hospitais infantis por causa de atos ou pensamentos sobre suicídio, bem como automutilação, mais do que dobrou na última década nos Estados Unidos, segundo uma pesquisa apresentada na conferência anual das Sociedades Acadêmicas de Pediatria, em São Francisco.



Naquele país, estudos anteriores já tinham revelado a tendência. Um levantamento divulgado no ano passado mostrou que a taxa de mortes por suicídio, na faixa dos 10 aos 14 anos de idade, já tinha superado a de acidentes de trânsito. Mas os novos dados, que incluem ideação suicida e mutilação, expõem a base do iceberg.


A atual pesquisa incluiu dados de 32 hospitais infantis norte-americanos de diferentes partes do país, relativos ao período entre 2008 e 2015, e jovens de 5 a 17 anos. Os pesquisadores encontraram 118.363 registros de atos ou ideação suicida e automutilação no período estudado. A proporção de ocorrências desse tipo, em relação às gerais, passou de 0,67%, em 2008, para 1,79, em 2015.


Mais da metade dos pacientes com pensamentos ou atos suicidas tinham de 15 a 17 anos de idade, enquanto 36,9% tinham de 12 a 14 anos. O dado que mais choca é que 12,7% dos registros referem-se a crianças de 5 a 11 anos.

O aumento mais significativo em relação aos dados anteriores foi observado na faixa de 15 a 17 anos: a variação foi de 0,27 ponto percentual. A primavera e o outono foram as estações com maior número de casos. E o verão, a que teve menos registros.


No Brasil, segundo reportagem recente da BBC Brasil, a taxa de suicídio entre jovens de 15 a 29 anos aumentou 27,2%. A informação foi revelada no Mapa da Violência 2017, feito a partir de dados do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde.  Faz sentido que episódios como o da “Baleia Azul” causem preocupação. A saúde mental de crianças e adolescentes precisa ser levada a sério.



quarta-feira, 22 de março de 2017

Eu não posso progredir senão algo ruim vai me acontecer - EFT


Uma pessoa se descobre não próspera como gostaria de ser.
Curioso como muitas vão buscar crenças sabotadoras, crenças limitantes, e me procuram para com EFT ajuda-las a cancelar estes impedimentos e seguirem o fluxo da prosperidade sem bloqueios!

(O EFT - Emotional Freedom Techniques (técnica para liberação emocional ou Tapping) - batidinhas nos pontos de energia,  é um método terapêutico que além de trabalhar através da linguagem verbal, opera nos terminais dos meridianos energéticos do nosso corpo, para eliminar sintomas e incômodos emocionais, físicos e, também, para melhorar nossa performance esportiva, artística, profissional e desempenho sexual. Este trabalho é feito através de pequenas batidinhas nos mesmos meridianos usados pela acupuntura chinesa, sem a utilização de agulhas).

Geralmente estas pessoas me dizem que vem aplicando o EFT incansavelmente para todas as crenças que conseguem conceber, para atingirem a tão desejada prosperidade. E querem que eu siga aplicando com eles, porque sentem que não conseguem dissolver todas as crenças
limitantes sozinhos.

Quando a gente aprende o verdadeiro EFT, o EFT oficial e autêntico, criado por Gary Craig, estas colocações perdem o sentido.

Todos querem cancelar, anular, todas as crenças limitantes, mas as pessoas não se perguntam, por que eu construí esta crença que me autolimita no caminho da prosperidade?

Toda crença que nos limita teve uma origem, tem sua função, tem sua razão de ser na biografia desta pessoa, e não está lá por acaso. Querer eliminar a crença sem conhecê-la melhor, saber que padrão de defesa ela representa, quando e como ela se originou, e o que a sustenta, é um caminho que não leva aonde se deseja ir.

Sim, nossas crenças limitantes são defesas que criamos em momentos traumáticos, difíceis, estressantes, para poder lidar com eles da melhor maneira possível. Se não voltamos para estes momentos do passado, e trabalhamos com EFT, todos que precisamos, não tem como tirar o alicerce que sustenta a crença limitante.

A prosperidade acontece tão logo liberamos a energia presa nas defesas (sensações, emoções e crenças). Para que esta energia possa ser investida nos nossos desejos. E uma vida segura, confortável, pode ser um destes desejos. É preciso, portanto compreender como esta crença se formou, como se sustenta, e que função tem no sentido de lidar com a dor e o sofrimento oriundos de situações traumáticas.

Por exemplo, uma crença como esta: “eu não posso progredir senão algo ruim vai me acontecer”, pode estar ligada a uma situação em que o pai da pessoa estagnou por algum motivo, e o filho sente que progredir implicaria na perda do amor do pai, seria quase um desrespeito em relação a ele. Precisamos trabalhar estas situações traumáticas vividas na infância e adolescência para permitir que a abundancia seja sentida como um direito, sem culpa, sem peso, sem vergonha.

Prosperidade é uma consequência logica de uma liberdade emocional!




http://www.emofre.com.br/






quarta-feira, 15 de março de 2017

Por que casais devem manter a intimidade em segredo?

Contar intimidades do casal para os outros pode arruinar seu relacionamento



Desabafar ou compartilhar segredos da vida a dois com um amigo próximo é algo comum e até mesmo bastante útil na hora de pedir conselhos, por exemplo. Mas exagerar na divulgação de informações e detalhes, sem sequer selecionar bem os confidentes, pode arruinar seu relacionamento.

Falar demais sobre a vida pessoal pode ser uma cilada que prejudica sua imagem entre amigos, familiares e até colega de trabalho. A situação ainda pode ser piorada quando outra pessoa é envolvida, no caso, seu parceiro ou parceira.

Se seu companheiro faz o tipo reservado, por exemplo, pode não gostar de ter suas intimidades reveladas a pessoas que mal conhece, mesmo quando são fatos aparentemente banais ou que não comprometedores.

A pessoa amada ainda pode se sentir traída ou magoada ao descobrir que você dá detalhes da vida a dois sem estar presente, abrindo espaço para a desconfiança e brigas que vão abalar a relação.

Se você tem o hábito de falar demais sobre suas intimidades com o parceiro, principalmente, sobre as brigas, pode acabar não sendo mais convidado para passeios entre casais de amigos, já que eles podem considerar que o seu relacionamento conturbado causará desconfortos e cenas desagradáveis em público.



É válido ainda entender que não são somente os defeitinhos e as brigas que devem ser mantidas somente entre os parceiros. Até mesmo elogios podem causar constrangimentos quando divulgados em público. Sua namorada, por exemplo, pode não gostar de saber que você conta a todos que vocês têm uma vida sexual intensa e que conta detalhes sobre as transas inesquecíveis entre quatro paredes.

Cultivar um bom relacionamento amoroso também significa respeitar a privacidade e os limites de cada um. Quando você mantém segredinhos com a pessoa amada e não abre toda a sua vida a estranhos, ainda garante o sentimento de que possui algo especial e que merece ser preservado em nome da confiança e da intimidade.

http://www.vix.com/pt/amor/542332/contar-intimidades-do-casal-para-os-outros-pode-arruinar-seu-relacionamento

Trair sem ser descoberto

 Como algumas pessoas conseguem trair sem ser pegas? Quais técnicas elas usam?

Tema universal em qualquer tipo de relacionamento amoroso, a traição ainda é uma das principais causas de separação entre os casais. Isso, claro, quando são descobertas. Afinal, algumas pessoas conseguem ser infiéis durante anos e com vários parceiros, sem nunca serem pegas. Como elas conseguem?
  
Quem já tem o “hábito” de trair e nunca ser flagrado normalmente é paciente, articulador e sabe planejar bem os próprios passos e os do parceiro. “Infiéis de carteirinha”, por exemplo, escolhem cuidadosamente os horários e os locais de encontro com os amantes para nunca despertar desconfiança ou correrem o risco de serem vistos.


Além disso, geralmente pensam em cada detalhe da traição e são capazes até de terem na manga desculpas certeiras se forem confrontados. Manter um amigo como álibi para escapadas ou histórias prontas e criadas previamente faz com que eles nunca sejam pegos de surpresa.


Quem costuma ser infiel sem ser descoberto ainda é bastante cuidadoso e não “brinca em serviço”. A pessoa que trai geralmente possui senhas de celular e computador difíceis de serem decodificadas, apagam vestígios de ligações e sites frequentados.

Pessoas que pulam a cerca constantemente e nunca são pegas tampouco se envolvem com colegas de trabalho, amigos em comum ou vizinhos. Elas sabem que as chances de serem flagradas aumentam muito em tais ciclos sociais e preferem procurar parceiros em territórios neutros.

É ainda difícil de desmascarar uma pessoa infiel quando ela sempre sai de casa e chega do trabalho todos os dias no mesmo horário e não dá “perdidos” no companheiro. Atenta, ela vai agendar encontros e escapadas em períodos que não pode ser rastreada, como horários de almoço, de segunda à sexta-feira.

Por fim, quem nunca é pego em flagrante normalmente possui um parceiro que vive a mesma situação, ou seja, também comprometido. Assim, ambos sabem exatamente o que querem, não fazem cobranças ou ameaças, já que estão no mesmo barco e procuram sigilo na mesma medida.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...