domingo, 9 de outubro de 2016

Neurotransmissores: tipos e funções


Neurotransmissores são mensageiros químicos que transportam, aumentam e modulam sinais entre neurônios e outras células no corpo.

Na maioria dos casos, neurotransmissores são liberados a partir do terminal axonal depois de um potencial de ação ter atingido a sinapse. Em seguida, atravessam a fenda sináptica para chegar ao local do receptor da célula ou outro neurônio. Em seguida, num processo conhecido como recaptação, o neurotransmissor se liga ao local do receptor e é reabsorvido pelo neurônio.

Neurotransmissores desempenham um papel importante na vida cotidiana. Os cientistas ainda não sabem exatamente quantos existem, mas mais de 100 mensageiros químicos foram identificados.


Quando neurotransmissores são afetadas por doenças ou drogas, pode haver uma série de diferentes efeitos adversos no corpo. Doenças como Alzheimer e Parkinson são associadas com déficits desses elementos.




Tipos de neurotransmissores

Neurotransmissores podem ser classificados por função:

Neurotransmissores excitatórios: Estes tipos de neurotransmissores têm efeitos excitatórios sobre o neurônio; eles aumentam a probabilidade de o neurônio disparar um potencial de ação. Alguns dos principais neurotransmissores excitatórios incluem epinefrina e norepinefrina.

Neurotransmissores inibitórios: Estes tipos de neurotransmissores têm efeitos inibitórios sobre o neurônio; eles diminuem a probabilidade de o neurônio disparar um potencial de ação. Alguns dos principais neurotransmissores inibidores incluem serotonina e GABA.
Alguns neurotransmissores, tais como a acetilcolina e dopamina, podem tanto ter efeitos excitatórios e inibidores dependendo do tipo de receptores que estão presentes.

Os 6 tipos de neurotransmissores

·        
Acetilcolina
·         Aminoácidos: ácido gama-aminobutírico (GABA), glicina, aspartato, glutamato.
·         Neuropeptídeos: oxitocina, endorfina, vasopressina, etc.Monoaminas: adrenalina, noradrenalina, histamina,
·         Dopamina e serotonina.
·         Purinas: adenosina, ATP.
·         Lipídios e gases: óxido nítrico, canabinoides.


Como identificar

A identificação real de neurotransmissores, na verdade, pode ser muito difícil. Devido a isso, os neurocientistas têm desenvolvido uma série de diretrizes para determinar se um produto químico deve ser chamado de neurotransmissor ou não:

1) O produto químico deve ser produzido dentro do neurônio
2) As enzimas necessárias precursoras devem estar presentes no neurônio
3) Deve haver suficiente produto químico presente para realmente ter um efeito no neurônio pós-sináptico
4) O produto químico deve ser liberado pelo neurônio pré-sináptico e o neurônio pós-sináptico deve conter receptores a que o produto químico se ligará
5) Tem de haver um mecanismo ou recaptação de enzima presente que inibe a ação química


Chudler, E. H. (n.d.). Neurotransmitters and neuroactive peptides. Neuroscience for Kids. Found online at http://faculty.washington.edu/chudler/chnt1.html
Thompson, R.F. (2000). The Brain: A Neuroscience Primer. New York: Worth Publishers.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...