sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Anorexia e Bulimia Nervosa

Transtornos alimentares Anorexia e Bulimia - Classificação e Diagnóstico

Os transtornos alimentares Anorexia e Bulimia são os distúrbios comportamentais mais comuns na alimentação e caracterizam-se por severas perturbações no comportamento alimentar. Embora ele se refere ao ato de comer não tem nenhuma relação direta com os alimentos. Ela está enraizada no medo de viver e de crescer. Os sinais mais claros destas doenças são descobertas pela recusa em manter o peso corporal para a idade e altura que causa uma perda significativa de peso.

Esta postagem inclui dois diagnósticos específicos, Anorexia Nervosa e Bulimia Nervosa.

A Anorexia Nervosa caracteriza-se por uma recusa a manter o peso corporal em uma faixa normal mínima. A Bulimia Nervosa é caracterizada por episódios repetidos de compulsões alimentares seguidas de comportamentos compensatórios inadequados, tais como: vômitos auto-induzidos; mau uso de laxantes, diuréticos ou outros medicamentos; jejuns ou exercícios excessivos.



Uma perturbação na percepção da forma e do peso corporal é a característica essencial tanto da Anorexia Nervosa quanto da Bulimia Nervosa.

Lembra da banda Silverchair, que fez muito sucesso no final dos anos 90 e início dos 2000? E de um dos seus principais hits, que se chamava “Ana’s Song (Open Fire)”? Pra refrescar a sua memória, vou deixar o clipe aqui pra você dar uma ouvida enquanto lê o resto da postagem:




ANOREXIA 'A música de Ana'

Anorexia nervosa

A anorexia nervosa caracteriza-se por perda de peso intensa e intencional às expensas de dietas extremamente rígidas com uma busca desenfreada pela magreza, uma distorção grosseira da imagem corporal e alterações do ciclo menstrual.

O termo anorexia sabidamente não é o mais adequado do ponto de vista psicopatológico na medida que não ocorre uma perda real do apetite, ao menos nos estágios iniciais da doença. A negação do apetite e o controle obsessivo do corpo tornam o termo alemão pubertaetsmagersucht, isso é, “busca da magreza por adolescentes”, bem mais adequado.

Breve histórico

Habermas (1986) descreveu um caso pioneiro altamente sugestivo de anorexia nervosa em uma serva que viveu no ano de 895. A jovem Friderada, após ter-se recuperado de uma doença não-reconhecível, passou a apresentar um apetite voraz e descontrolado.

Para tentar diminuí-lo, buscou refúgio em um convento e nele, com o tempo, foi restringindo sua dieta até passar a efetuar longos jejuns. Embora inicialmente ainda conseguisse manter suas obrigações conventuais, rapidamente seu quadro foi-se deteriorando até a sua morte, por desnutrição.

No século XIII, encontramos em grande profusão descrições de mulheres que se auto-impunham jejum como  forma de se aproximar espiritualmente de Deus; eram as chamadas “santas anoréxicas”. O quadro era acompanhado de perfeccionismo, auto-insuficiência, rigidez no comportamento, insatisfação consigo própria e distorções cognitivas, tal qual as anoréxicas hoje. Um dos casos mais conhecidos é o de Catarina Benincasa, mais tarde Santa Catarina de Siena, que, aos 16 anos, recusou o plano de casamento imposto por seus pais, jurando manter-se virgem e entrando para o convento. Alimentava-se de pão e alguns vegetais, autoflagelava-se, e eventualmente provocava vômitos com ingestão de plantas.



No ano de 1694, Richard Morton é autor do primeiro relato médico de anorexia nervosa, descrevendo o tratamento de uma jovem mulher com recusa em alimentar-se e ausência de ciclos menstruais, que rejeitou qualquer ajuda oferecida e morreu de inanição. O autor mostra-se profundamente intrigado pela indiferença que a paciente demonstrava em relação ao seu estado crítico e pela preservação de suas faculdades mentais básicas.

Na segunda metade do século XIX, a anorexia nervosa emerge como uma entidade autônoma e delineada a partir dos relatos do francês Charles Laségue (1873) que descreve a anorexie histérique. No ano seguinte, William Gull descreve três meninas com quadro anoréxico restritivo com o nome deapepsia histérica”. A discussão sobre a primazia do relato inicial do quadro é mais uma das longas novelas médicas existentes sobre paternidade de idéias (Van der Ham et al., 1989).





Em 1903, Janet relata o caso de Nadia, uma moça de 22 anos de idade, que manifestava vergonha e repulsa ao seu corpo com constante desejo de emagrecer, quadro que denominou de anorexie mental. O autor relacionou a busca intensa da magreza à necessidade de protelar a maturidade sexual e sugeriu dois subtipos psicopatológicos, obsessivo e histérico.



Bulimia nervosa


A bulimia nervosa caracteriza-se por grande ingestão de alimentos com sensação de perda de controle, os chamados episódios bulímicos. A preocupação excessiva com o peso e a imagem corporal levam o paciente a métodos compensatórios inadequados para o controle de peso como vômitos auto-induzidos, uso de medicamentos (diuréticos, inibidores de apetite, laxantes), dietas e exercícios físicos.O termo bulimia nervosa foi dado por Russell (1979) e vem da união dos termos gregos boul (boi) ou bou (grande quantidade) com lemos (fome), ou seja, uma fome muito intensa ou suficiente para devorar um boi.


A descrição de bulimia nervosa, tal como conhecemos hoje, nasce com Gerald Russell (1979) em Londres, a partir da descrição de pacientes com peso normal, pavor de engordar, que tinham episódios bulímicos e vômitos auto-induzidos. Como algumas dessas pacientes haviam apresentado anorexia nervosa no passado, considerou, em um primeiro momento, que a bulimia seria uma seqüela desta.



Quadro 1 - Critérios diagnósticos para Anorexia Nervosa, segundo o DSM-IV (APA-1994) e CID-10 (OMS-1993).

Questões diagnósticas em aberto

Desde os anos 1980, tornou-se clássico, na maior parte da literatura, o estabelecimento de dois subtipos clínicos da AN, o restritivo e o purgativo. Nos anos 90, diferentes estudos evidenciaram que o subtipo purgativo apresentaria mais: transtornos de personalidade e comportamentos impulsivos, tais como tentativas de suicídio, auto-mutilação, cleptomania, abuso de substâncias.



Quadro 2 - Critérios diagnósticos para Bulimia Nervosa, segundo o DSM IV (APA, 1994) e CID 10 (OMS, 1993).


Por Dr.Táki Athanássios Cordás
Professor colaborador do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Coordenador Geral do Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares (AMBULIM) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP. São Paulo. SP. Brasil.
Endereço para correspondência: AMBULIM – Rua Dr. Ovideo Pires de Campos, 785 – 2º andar – 05403-010 – São Paulo – SP – e-mail: ambulim@hcnet.usp.br  – Fone: (11) 3069-6975.

Órgão Oficial do Departamento e Instituto de Psiquiatria - Faculdade de Medicina  - Universidade de São Paulo

Só de curiosidade... Conheça algumas mulheres anoréxicas que entraram para a história.


Katherine Anne Porter (1890-1980)
Americana, a escritora anoréxica, foi a primeira mulher a tratar do tema na ficção, ao publicar o romance Old Mortality, em 1937.





Jane Fonda (1937)
A atriz americana foi a primeira mulher a revelar publicamente seus transtornos alimentares. Conta que lutou contra a bulimia e exercícios excessivos dos 15 aos 45 anos.








Sally Field (1946)
Atriz famosa nos anos 60, pesava 45 Kg e tinha 1,70 de altura. Começou a se tratar com 20 anos e passou 3 anos nesta batalha.









Karen Carpenter (1950-1983)
Cantora americana da dupla The Carpenters era gordinha na infância e ficou obcecada com a magreza ao se tornar famosa. Morreu, no auge de sua carreira, em 1983, vitima da anorexia, pesando 34 Kg.








Diana Spencer (1961-1997)
A princesa de Gales confessou que teve anorexia e bulimia por 10 anos, associadas a fortes crises de depressão.









Kate Moss (1974)
Aos 26 anos, a top model pesava 43 kg. Foi internada duas vezes e provocou uma grande discussão sobre o tema, iniciando a polêmica anorexia X mundo fashion. Embora nunca tenha assumido a anorexia publicamente, se tornou o retrato da ''estética anoréxica'' que marcou uma geração de estrelas das passarelas.







Keira Knightley (1985)
A atriz inglesa, já relatou em entrevista que teve avó e a bisavó anoréxicas. Mas, mesmo pesando menos de 40 Kg ela garante que não é...









Mary-Kate Olsen (1986)
Depois de meses de especulação sobre seus ossos aparecendo excessivamente, a jovem atriz assumiu publicamente que tinha um Transtorno Alimentarar e se internou numa clínica para o tratamento da anorexia.








Nicole Richie (1981)
Depois de perder muito peso nos últimos anos, a "socialite" (?) tem mantido um corpo esquálido e assustado quem vê suas imagens mais recentes.









Allegra Versace (1987)
Filha da estilista Donatella Versace, a jovem de 20 anos foi internada no início deste ano pesando 32 Kg. Sua situação era tão grave que ela estava sendo alimentada por um tubo nasogástrico, utilizado quando a alimentação oral não tem condições de suprir as necessidades.




Ana Carolina Reston (1985-2006)
A modelo brasileira morreu em novembro de 2006 por causa de problemas decorrentes da anorexia. Ela tinha 19 anos e pesava 42 quilos - e reacendeu a polêmica da ditadura da magreza no Brasil.






Outras mulheres que foram questionadas por sua magreza recentemente:
Madonna (Cantora), Angelina Jolie (Atriz), Lindsay Lohan (Atriz), Victoria Beckham (Cantora),
Portia de Rossi (Atriz), Calista Flockhart (Atriz)
           
       


http://viafreud.blogspot.com.br/2007/09/transtornos-alimentares-se-tornaram-o_3720.html
http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol31/n4/154.html

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...